Capacidade de liderança é um grande diferencial nos momentos de incerteza

O novo coronavírus e o isolamento trouxeram um cenário de incerteza para o mundo todo. Nessa onda, as empresas tiveram de se adaptar rapidamente sem ter tempo hábil de planejamento e preparo para a nova realidade. Saber reagir a este tempo e influenciar positivamente tanto ações quanto pessoas para continuar gerando resultado exige muito de um perfil profissional, seja de qual segmento ele for. Precisa-se de um líder. Mas afinal, como ser um bom líder em tempos de crise e de coronavírus?

As pandemias são diferentes de qualquer outro desafio que as empresas já enfrentaram. Segundo Clarke Murphy, CEO da consultoria de gestão Russell Reynolds Associates, as maiores mudanças de um setor ocorrem durante os períodos de incerteza, incluindo desacelerações. “Neste momento, as medidas defensivas são essenciais, mas os melhores líderes também pensam estrategicamente sobre as oportunidades de continuar na ofensiva”, diz.

A primeira dica de Murphy, que é referência em gestão de pessoas nos Estados Unidos, é que os líderes deixem a equipe trabalhar. Parece óbvio, mas geralmente durante uma crise os executivos mais experientes têm uma tendência natural de tomar o controle, afastando a responsabilidade de seus subordinados diretos em um esforço para mitigar os riscos.

“Como resultado, executivos em ascensão se tornam operadores e executores, não líderes e tomadores de decisão. As habilidades de liderança de sua equipe atrofiarão e essas fraquezas ecoarão em suas avaliações de liderança dos próximos anos”, afirma. Por isso, estimule e confie na equipe neste momento.

Daiane Andognini, especialista em gestão de pessoas e CEO da Hug, consultoria focada em Cultura, Gestão de Pessoas e Liderança para empresas de tecnologia, afirma que a primeira competência importante que um bom líder deve ter neste momento é a capacidade de comunicação.

“O modelo de trabalho mudou e a maioria das pessoas está trabalhando de casa. Houve redução do contato físico e uma comunicação assertiva é fundamental para garantir que as pessoas estejam alinhadas e saibam o que está acontecendo em relação ao momento da empresa e as demandas de trabalho”, diz Daiane.

Em meio a períodos de incerteza, um bom processo de comunicação além de ser importante estrategicamente, precisa acontecer com transparência. Ou seja, é importante que o líder consiga responder de forma clara e objetiva o que está acontecendo ou a previsibilidade do que vai acontecer na empresa ou até mesmo com os próprios clientes. A ideia é que a equipe tenha consciência da verdade e do que está sendo feito com relação ao cenário econômico e o cenário de projetos, que, por vezes impacta os resultados dessa empresa.

Segundo a executiva, há ainda uma outra competência crucial neste momento de incertezas por conta do novo coronavírus: a capacidade de empatia. “O líder precisa entender que nem todos reagem da mesma forma às adversidades”, afirma Daiane. É fundamental compreender o momento que cada pessoa do seu time está passando e ajudar esse colaborador a driblar essa situação para não ter queda de performance.

Thais Mendes, diretora-executiva e cofundadora da GTO RH, afirma que neste momento o grande diferencial de todo esse processo de incertezas é a liderança.

Existem diversos pontos e características que um líder precisará demonstrar nesse momento, mas cinco deles são cruciais e farão grande diferença:

1-  Comunicação clara

Mesmo que o cenário seja incerto e não muito positivo, os liderados têm que saber sempre a verdade. O líder nesse momento precisa ser um excelente comunicador para não ter nenhum tipo de ruído no direcionamento do que deve ser feito.

Atividades e direção remotas podem se perder em algum momento ou algo ficar não tão claro. Muitos de nós estamos acostumados a lidar com reuniões físicas, trocas de ideias, sensações. Só que agora necessitamos nos adaptar ao modelo digital, e as reuniões, mais do que nunca, precisam acontecer.

Realizar uma reunião matinal para alinhar assuntos importantes pode ser um bom começo. Há quem prefira contatar a equipe ao fim do expediente para apurar os resultados do dia. Algumas áreas possuem atividades recorrentes ou que levam mais de um dia para serem concluídas, pode ser mais interessante neste caso uma reunião a cada 2 ou 3 dias.

2- Segurança

Um bom líder precisa ser presente e transparente. No isolamento os colaboradores não podem se sentir isolados. Atividade remota é só atividade remota, mas a produtividade precisa acontecer.

É uma excelente oportunidade, inclusive, para o líder avaliar autogestão dos colaboradores, a atitude de dono e o senso de propriedade. Por outro lado, existirão aqueles que precisarão desenvolver a capacidade de administrar seu tempo e elencar suas prioridades. Essa é a chance de uma análise mais profunda e assertiva do perfil dos liderados.

3- Tendência digital

Um bom líder avança com a tendência de mercado e há alguns anos a tendência é a tecnologia. Sim, um bom líder precisa usar a tecnologia a seu favor para aumento de produtividade e otimização de tempo. Essa é a temporada perfeita para se adaptar a este processo. Quem tinha resistência teve que se adaptar a modelos remotos, digitais e muitos estão vendo que nem era tão complicado e ruim assim, pelo contrário: para alguns o isolamento mudou só uma questão de relacionamento físico, mas a vida profissional continua até mais intensa do que era antes.

É papel do líder fomentar a mudança para uma cultura digital neste momento, para que não seja apenas para esse período e, sim, para o futuro da empresa quando tudo voltar ao normal.

4- Colaboração

Seja um líder colaborativo e fomente para que sua equipe aja desta forma. Esse é o momento de troca de ideias, de compartilhar modelos que dão certo, de conversas que geram eficácia e, também, de trazer integração aos colaboradores.

É fundamental estarmos próximos. Além de conversar sobre trabalho, incentive a troca de sentimentos, expectativas, sugestões. Estamos num momento delicado, então o líder precisa ser mais humano: entender como está a expectativa dos familiares, como está sendo atuar em casa, como a família está se comportando com as mudanças repentinas. Contribua positivamente com palavras que neste momento darão forças e tenha empatia com seus liderados.

5- Influência positiva

Mesmo que o cenário não seja o melhor na sua empresa, o líder precisa ser o agente de influência positiva, tanto para continuar dentro quanto preparar o profissional para ir ao mercado (caso essa seja a necessidade da empresa nesse momento).

O líder precisa conduzir um comportamento otimista nos liderados, mesmo que o cenário não seja favorável, mas é tudo como você comunica e se comporta diante desse cenário. O líder deve mostrar e viver esse otimismo. Tudo se resolve, todos crescem de alguma forma na crise, todos aprendem e tiram uma lição e reflexão.

Para Thais, a liderança que conseguir através da inovação, criatividade e influência positiva gerar uma equipe resiliente e produtiva nesse período terá construído um grande time quando essa crise causada pelo novo coronavírus passar. “Teremos times muito mais fortes e capacitados para entregar resultados ainda melhores e maduros, prontos para enfrentar futuros desafios profissionais”, finaliza.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Veja mais conteúdos que podem te interessar

Comentários

Comentários estão fechados.