O QUE É UMA LIDERANÇA EMPÁTICA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA NA CRISE DO COVID-19?

No mercado de hoje, liderança envolve, essencialmente, relacionamento. Para entregar bons resultados para a organização, não basta mais que o líder faça muito bem o seu trabalho e seja um bom distribuidor de tarefas. Líderes precisam ser bons com as pessoas, capazes de dialogar com diferentes públicos (assim como acomodar diferentes interesses), acolher a diversidade e saber lidar com opiniões divergentes, estar em contato com as necessidades dos clientes e saber lidar com diferenças culturais.

Alguns bons líderes atendem essas demandas, mas tem sido cada vez mais valorizada uma nova competência capaz fazê-los irem além: a EMPATIA. Líderes empáticos são aqueles que se conectam com sua equipe de forma mais humana, que realmente conhecem as histórias de vida e motivações de cada um e que são capazes de ouvir com atenção e se colocar no lugar do outro. Pesquisas mostram que colaboradores que julgam ter um líder empático também relatam maiores níveis de engajamento com o trabalho, comprometimento com a organização e colaboração na equipe, além de se sentirem mais reconhecidos e valorizados.

“Os melhores líderes são pessoas confiáveis, empáticas e conectadas com as pessoas. Líderes que nos fazem sentir calmos, valorizados e inspirados. Os piores – distantes, difíceis e arrogantes – nos fazem sentir inquietos, na melhor das hipóteses, e ressentidos, na pior delas.”
Daniel Goleman, especialista internacional em Inteligência Emocional

Especialmente em contextos de crise, como essa do COVID 19, uma liderança baseada na empatia é ainda mais importante para as pessoas e pode ser responsável por seguir trazendo resultados para a organização. Em situações que mexem tanto com as nossas emoções, o líder precisa ser um cuidador das pessoas e estar superatento aos seus estados emocionais, suas angústias e motivações. Para que os resultados continuem sendo entregues, é importante acomodar as diferentes realidade e necessidades e garantir que os colaboradores se sintam, de fato, vistos e ouvidos.

Durante séculos construiu-se a imagem do líder forte, inabalável, mas é importante que uma liderança empática também saiba se mostrar vulnerável. Quando o líder consegue mostrar para a sua equipe que também é um ser humano e que, assim como todo mundo, está lidando com sentimentos desafiadores, as pessoas se sentem mais acolhidas e mais dispostas a também se abrir e se conectar.
Todos os dias novos estudos não cansam de provar que colaboradores felizes, confiantes e motivados produzem mais e melhor. Ao mesmo tempo, nos próximos meses, vamos todos viver grandes desafios na economia e é fundamental continuar gerando novas soluções e produzindo resultados cada vez melhores. Neste momento, um líder empático pode, então, ser um grande cuidador do bem-estar das pessoas e um catalizador da melhora da economia. Exatamente o tipo de líder que estamos precisando.

 

Por Tati Fukamati 

Tati é bióloga e neurocientista por formação. É fundadora da Revolução da Empatia, empresa que leva o tema da empatia (uma das principais competências profissionais da atualidade) para dentro de organizações de todos os setores. Tati acredita que a empatia pode revolucionar a forma como nos relacionamos e pode levar as organizações a novos patamares de confiança, colaboração e resultados com qualidade.

 

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Veja mais conteúdos que podem te interessar

Comentários

Comentários estão fechados.