Inserir a sustentabilidade na estratégia de negócio nunca foi tão necessário como hoje. Em um cenário em constantes transformações, satisfazer o cliente (interno e externo) requer ir além de serviços de qualidade. As empresas precisam mostrar outros valores. Segundo pesquisa realizada pelo Ipsos Global Reputation Center, sete em cada dez pessoas esperam que as marcas contribuam mais com a sociedade do que contribuíam no passado e invistam mais em causas e ações sustentáveis.

Esse posicionamento pode trazer bons resultados para a imagem e o desempenho dos negócios: globalmente, 87% dos consumidores dizem que levam em consideração a reputação da empresa que está por trás da marca ao comprar um produto ou serviço. No Brasil, essa concordância sobe para 91%. “Cuidar da sustentabilidade deixou de ser uma escolha; hoje é uma premissa na maneira de gerenciar e fazer negócios”, diz Mariangela Schoenacker, diretora de operações da consultoria LHH no Nordeste. De acordo com ela, isso envolve contar com uma gestão responsável em relação à sustentabilidade do negócio, dos funcionários e de seu entorno.

Mas é importante ter em mente que a sustentabilidade não está apenas relacionada a ações voltadas ao meio ambiente, envolve também questões sociais e econômicas. Isso quer dizer que temas como saúde, segurança, diversidade e inclusão também podem estar na agenda. Além disso, é essencial que as ações estejam ligadas ao propósito da empresa – a seus valores –, e se reflitam em todas as ações internas. Não adianta desenvolver produtos com embalagens recicláveis, por exemplo, e não realizar o descarte correto de resíduos.

Estímulo a mais

Além de auxiliar na competitividade da empresa, a preocupação com a sustentabilidade tem efeito motivacional. “Empresas que contam com ações e capacitam e desenvolvem os colaboradores para serem líderes sustentáveis, atraem e retém mais talentos”, afirma Mariangela. Segundo ela, os profissionais, cada vez mais, buscam empresas que tenham valores semelhantes aos seus e olham para negócios que contribuam para o mundo em geral. “Empresas reconhecidas pelas ações em sustentabilidade têm a marca fortalecida entre os consumidores e colaboradores”, completa a diretora da LHH.

Por onde começar

O primeiro passo é que alta liderança da organização esteja, pessoalmente, envolvida em causas relevantes, que contribuam genuinamente para um mundo melhor. Depois disso, faça um trabalho de conscientização com toda a empresa e realize um mapeamento dos temas e impactos de sustentabilidade relacionados ao seu negócio. A ideia é eliminá-los, minimizá-los ou compensá-los. Segundo Mariangela, é possível começar com pequenas mudanças de atitude e mentalidade, como inserindo o negócio no movimento Lixo Zero, que tem como objetivo viabilizar a reciclagem por meio de um sistema próprio de coleta seletiva e encaminhamento dos resíduos às cooperativas de separação de material reciclável.

Mas há outras práticas, como evitar uso de descartáveis, configurar as impressoras para impressões frente e verso, utilizar sacolas biodegradáveis e reaproveitar a água da chuva para a limpeza da área externa, por exemplo. Assim, aos poucos, a cultura de sustentabilidade vai se inserindo no dia a dia da e na estratégia da empresa.