Inovação, trazer algo novo, apresentar um novo conceito, ofertar uma nova ideia de produto, fornecer soluções inovadoras. Quem nunca ouviu isso em um ambiente profissional? Seja de um chefe ou de um cliente, é sempre esperado que você ou o seu negócio, façam algo de forma inovadora. Não é verdade?

Uma outra verdade, é que, às vezes, quanto mais somos pressionados a criar algo, menos ideias boas surgem.

O fato é que o anseio por inovação e por criar coisas novas não é um conceito recente. Freud dizia que “a alegria do artista em criar ou a do cientista em solucionar problemas ou descobrir verdades, possui uma qualidade especial”. Freud viveu de 1856-1939, isso prova que o anseio por inovar não é algo tão recente.

Trazendo isso para o tempo em que vivemos e parafraseando Antoine Lavoisier: ‘Nada se cria, tudo se copia’, será mesmo? Existem negócios que não vivem sem a estratégia do benchmarking, mencionada neste post.

Como se diferenciar em um mercado onde muitos produtos, ideias e conceitos já estão saturados e conseguir obter lucro através da diferenciação?

# Nova categoria de produtos

A inovação está atrelada à forma como você comunica aquilo que você tem ou aquilo que você está trazendo de novo. Inovar, não necessariamente significa trazer uma inovação para o mercado, às vezes, é apenas uma nova forma de POSICIONAR ou de COMUNICAR com base naquilo que você já tem.

Quer um exemplo?

Vamos supor que as empresas X, Y e Z são empresas de balas, ok? Dentro das balas que eles possuem para vendas, existe uma linha de balas de morango.

Ao realizar uma degustação, notou-se que a bala de morango da empresa Y tem um sabor mais forte de morango do que as balas das empresas X e Z.

E o que isso significa? Um indício da empresa Y ter criado uma linha de produtos: balas de morango com sabor extraforte. É possível, não é?

Criar uma categoria de produtos requer bastante atenção e sensibilidade, às vezes é um pequeno detalhe que irá fazer toda a diferença. Que quando bem comunicado, atrelado a um posicionamento de marca e de produto adequados, podem ser a diferenciação que o mercado precisa.

# Inovação aberta

O que é isso? O conceito de Inovação aberta (em inglês Open Innovation) criado por Henry Chesbrough em 2003, acredita que quando o processo de criação e inovação acontece de forma aberta, com uma colaboração bem distribuída entre os stakeholders, existe uma chance maior de realmente inovar e atender a uma demanda necessária, além de reduzir custos, diluir os riscos e expandir mercados.

Por que ele desenvolveu este conceito? Porque geralmente, boa parte das empresas guardam o seu processo criativo a sete chaves.

Trazendo este conceito para 2021, como funcionaria?

Bom, não é segredo que o relacionamento com o consumidor tem sido uma grande chave de ouro para manter muitos negócios ativos, nós até falamos um pouco mais sobre isso nesse outro artigo: O perfil do consumidor após a pandemia: saiba como se preparar.

Envolva os seus consumidores no seu processo criativo! Chame-os para participar de enquetes nas redes sociais. Use ferramentas que te permitam conhecer o seu consumidor a fundo e mostrar para ele que ele é importante.

Mais um exemplo:

Se você faz uso do Instagram, pode mostrar o seu processo de criação nos seus stories ou reels, junto com este conteúdo, crie um storytelling sobre as preferências dele. Como?

Vamos usar a fabricação de sabonetes como exemplo. Mostre alguns produtos que você usa, faça enquetes perguntando para os seus seguidores as preferências de cores para criar um sabonete, dê opções de cheiros e pergunte qual é a preferência deles.

Este tipo de ação permite que o seu público se sinta parte daquilo que você está fazendo!

# Posicionamento e diferenciação 

Quem é você no mundo dos empreendedores?

Lembra quando falamos sobre a importância do plano de negócios e da pesquisa de mercado aqui no blog Alel? Então, quando você conhece bem o seu negócio, o macro e o microambiente onde você está inserido, consegue traçar estratégias que mostram exatamente onde você se diferencia da concorrência.

Saber qual é o seu diferencial e comunicar isso de forma clara e objetiva também faz parte da inovação. Concorda?

Agora, que tal colocar tudo o que você viu aqui em prática? Revise o seu business plan, faça uma nova análise aprofundada dos seus produtos e serviços oferecidos, entenda aquilo que você pode usar para se diferenciar e inovar.

Ao fazer esse exercício, peça ajuda de pessoas próximas a você que possam trazer uma nova perspectiva. Se for possível, fale com os seus clientes e tente captar através de uma conversa informal a percepção deles sobre o seu produto ou serviço.

Certamente este exercício irá lhe ajudar a inovar nos negócios!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Veja mais conteúdos que podem te interessar

Comentários

Comentários estão fechados.