Adicionar novos bons talentos ao quadro de colaboradores é um dos maiores desafios dos gestores no mercado de trabalho. A disputa na busca por esses reforços é cada vez mais acirrada e algumas vezes coloca de um lado as empresas de grande porte e do outro as empresas de pequeno porte. 
As companhias de maior expressão muitas vezes conseguem oferecer benefícios e vantagens que as menores não são capazes de atingir, mas também apresentam pontos negativos. Como as pequenas e médias empresas, as PMEs, podem vencer essa batalha e agregar os melhores talentos? O Blog da Alelo ouviu especialistas no assunto e traz as respostas neste conteúdo. 

Atrativos e benefícios das pequenas empresas

Se as empresas de grande porte e multinacionais conseguem oferecer a própria marca como atrativo, maior leque de benefícios e oportunidades de trabalho em outros países, o que resta para as pequenas empresas? 
O primeiro ponto a ser destacado é que muitos talentos, principalmente os mais jovens, preferem trabalhar em companhias menores, menos burocráticas e com maior chance de evolução na carreira no curto prazo. A proximidade entre líderes e colaboradores também é um dos atrativos. 
“Em muitos casos, os funcionários geralmente têm mais responsabilidade e escopo em suas funções do que em grandes empresas, onde as pessoas tendem a se especializar mais”, afirma Ana Paula Montanha, Diretora da HW Human Capital. 
Já Alexandre Benedetti, diretor do Talenses Group, ressalta que as empresas menores devem mostrar que o talento poderá ter acesso a estratégia e voz ativa na tomada de decisões sem estar no topo da estrutura organizacional da companhia, algo que dificilmente acontece em empresas de grande porte.  
“A pessoa não precisa estar na primeira linha de report para ter acesso a estratégia da empresa. A companhia pode oferecer algo mais amplo do que a descrição do cargo”, diz Alexandre. 
A flexibilidade ao lidar com a vida fora do escritório também é uma das vantagens, na visão de Ana Paula. A prática de home office, por exemplo, é mais presente e tolerada em empresas pequenas e muitas vezes existe a possibilidade de a carga horária não ser tão rígida.  

Como aparecer para os bons profissionais

Um desafio para as pequenas corporações encontrarem o talento que precisam para uma determinada função é o caminho a ser percorrido até ele. Enquanto companhias de maior porte investem verbas consideráveis em headhunters e empresas especializadas, as menores podem apostar no networking e incentivar que os próprios colaboradores atuem como recrutadores. 
“Se um de seus contatos indicar um candidato a você, é provável que ele já tenha feito parte da venda. Pelo mesmo motivo, ofereça recompensas por referências de funcionários. Os candidatos que passam por essas referências geralmente têm uma imagem mais precisa da empresa do que aqueles que chegam por meio de anúncios e, na maioria dos casos, os funcionários recomendam apenas as pessoas que acham que serão uma boa combinação de perfil técnico e habilidade de liderança”, explica Ana Paula.

Contratação certa evita desperdício de dinheiro

E como nenhuma empresa gosta de desperdiçar tempo e dinheiro, fazer a contratação certa é primordial para evitar gastos desnecessários. Por isso, é importante entender o perfil desejado. Encontrar o profissional que se encaixe de forma natural na empresa é determinante para que a chegada dele tenha o resultado esperado.
“Contratar uma pessoa de forma equivocada, independentemente do tamanho da empresa, gera um impacto. Em empresas menores a pessoa realmente faz a diferença, todos têm um papel muito importante. Então essa contratação deve ser muito bem feita e com atenção para minimizar o erro”, avalia Alexandre. 
Depois de analisar o perfil técnico do candidato, Ana Paula ressalta a importância de avaliar o perfil comportamental e elenca algumas características do chamado “perfil start up”. 
“Os executivos mais bem adaptados e que costumam serem mais bem-sucedidos em pequenas empresas possuem iniciativa, perseverança e buscam eficiência e qualidade nos processos”, analisa.       

Como reter o talento

Depois de todo o processo de seleção e adaptação do novo talento, o grande desafio da empresa de pequeno porte é garantir a permanência desse colaborador. A retenção de talentos é necessária para aumentar a produtividade da equipe e manter a companhia em crescimento constante. 
Segundo Alexandre, do Talenses Group, a retenção passa por um alinhamento de objetivos e expectativas entre empresa e funcionário. É preciso avaliar a identificação do talento com a cultura da empresa, com os outros colaboradores e entender que muitas vezes a motivação das partes pode mudar com o passar do tempo. 
“É importante a empresa ter bem claro que ela tem a oferecer para o colaborador e entender se a motivação dele está em linha com o que está sendo oferecido. Isso pode fazer a retenção ser mais orgânica”, afirma. 
Já Ana Paula, da HW Human Capital, destaca alguns pontos que podem aumentar a manutenção do quadro de talentos de uma empresa de pequeno porte. Confira:

  • Incentive o crescimento profissional e a liderança desse executivo
  • Reconheça suas contribuições individuais e resultados
  • Estimule o bom ambiente profissional
  • Demonstre ser um líder com quem vale a pena aprender. Mantenha-se focado na sua empresa, lidere pelo exemplo
  • Utilize ao seu favor o fato de ser uma empresa pequena: crie um ambiente de reconhecimento de objetivos e metas alcançadas e de gratidão, que possibilite confraternizações e happy hours, que tornem o ambiente mais acolhedor

Estas dicas valem ainda mais em momentos de crise, como o atual, uma vez que a quantidade de vagas disponíveis está baixa e as contratações visam mais a qualidade de cada profissional.

Leia também nosso post relacionado sobre como atrair talentos com imbound recruiting.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Veja mais conteúdos que podem te interessar

Comentários

Comentários estão fechados.