O home office é um formato que vem ganhando força nas empresas. Um estudo recente da Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), com participação de 155 empresas de São Paulo, apontou que 85% delas já têm alguma iniciativa voltada para a mobilidade, incluindo o home office. E segundo uma estimativa da Sociedade Brasileira do Trabalho, o uso dessa modalidade cresce 10% ao ano.

Mas afinal, como o anywhere office, conceito de que se pode trabalhar de qualquer lugar, deve ser organizado? Quais são suas vantagens? A seguir você encontra as dúvidas mais comuns sobre esse formato de trabalho e vai descobrir o que é mito e o que é verdade quando o assunto é home office.

Todos os equipamentos e estrutura necessários para o trabalho remoto ficam por conta do colaborador?

Mito – Dependendo do ramo de atividade da sua empresa, é possível que os colaboradores precisem de equipamentos específicos, como fones, headsets, webcam, entre outros, além do imprescindível computador. Isso tudo fica a cargo da empresa. Além disso, a companhia pode propor incentivos financeiros, como verba para pagamento de internet e conta de luz.

O  empregador deve cuidar das condições de trabalho mesmo quando o ponto é remoto?

Verdade – O Ministério do Trabalho estabelece padrões para os funcionários realizarem suas atividades com o máximo de conforto e segurança, independentemente de onde as tarefas são desempenhadas. Quando o trabalhador autoriza, a empresa deve realizar a análise ergonômica do local de trabalho,  averiguar as condições e, se necessário, fornecer equipamentos e fazer adaptações para tornar o ambiente adequado.

O teletrabalho impede a interação das equipes?

Mito – Estar fora do escritório não deve impedir que o funcionário continue participando das rotinas da equipe, como reuniões e checkpoints com o gestor. Além disso, ferramentas como WhatsApp e programas internos de troca de mensagens instantâneas podem ser alternativas para promover o contato constante entre a equipe, garantindo o alinhamento de informações e a troca de experiências.

O funcionário que faz home office é mais produtivo?

Verdade – Várias pesquisas afirmam que o home office deixa o colaborador mais produtivo. Uma delas, feita pela publicação americana Harvard Business Review fala em um aumento na produtividade do trabalhador de 13,5% depois do trabalho remoto. Questões como economia de tempo com deslocamento, alimentação mais saudável e silêncio para executar as atividades são as mais apontadas para o aumento da produtividade.

Quem faz home office não tem hora certa para trabalhar?

Mito – Hoje as empresas podem usar softwares de acompanhamento e supervisão de tarefas para auxiliar neste processo durante o home office. Essas ferramentas são de fácil acesso em termos de custo, oferta e boa qualidade. Sem falar nos aplicativos de comunicação instantânea, para tornar a gestão online, rápida e efetiva. Além disso, a análise de desempenho talvez seja o elemento mais importante do teletrabalho e pode ajudar a verificar a eficácia do processo. Em contrapartida, funcionários também precisam encontrar uma rotina ideal para não exceder o limite de horas diários principalmente quando ficam conectados em aplicativos, como o WhatsApp.

A empresa deve se preocupar com a questão da segurança das informações mesmo com o colaborador fora da sede?

Verdade – Mesmo que o colaborador esteja fora da empresa, ele continuará acessando informações confidenciais. Além dele, outras pessoas poderão entrar em sua casa. Portanto, vale pensar: como recuperar documentos e informações se a relação trabalhista terminar? Como proteger o patrimônio da companhia? Quais tipos de prevenção usar? Já existem recursos para manter a segurança dos dados e uma solução é utilizar as Virtual Private Networks (VPNs), que criptografam a comunicação via internet entre o colaborador e a empresa. Fica a cargo da companhia proteger seus dados.

O teletrabalho só pode ser feito de casa?

Mito – Cada vez mais empresas estimulam o anywhere office. Ou seja, é possível trabalhar de casa, em espaços de coworking, cafés ou qualquer lugar em que o colaborador esteja confortável e tenha acesso à internet de qualidade. A produtividade conta mais do que o local de trabalho.

Funcionários que fazem home office perdem direitos trabalhistas?

Mito – Por lei, os funcionários em home office tem os mesmos direitos de quem trabalha na empresa. Isso inclui salários iguais, direito a férias, FGTS, 13º salário, vale alimentação e direitos previdenciários, como o auxílio-doença.  A única coisa que muda é o vale transporte, que não é mais concedido por não haver a necessidade de deslocamento.

O home office ajuda as empresas com a gestão financeira das equipes?

Verdade – O anywhere office possibilita que as empresas tenham escritórios menores, o que acarreta em menos gastos com aluguel, manutenção do ambiente, como energia e café, e material de escritório. Além disso, quando a empresa precisa crescer, a prática de home office permite contratar profissionais sem a necessidade de aumentar o espaço físico.

Home office deve ser incentivado em tempo integral?

Mito – Grande parte das empresas implementa o teletrabalho em alguns dias da semana para estimular a ida do trabalhador à sede da companhia e a interação das equipes. Contudo, algumas funções demandam o teletrabalho em tempo integral. Segundo consultores de recursos humanos, vale entender a necessidade da empresa e do colaborador em cada caso e prezar pela flexibilidade que esse formato oferece.