Fazer promoções, dar descontos, criar concursos, oferecer brindes e promover campanhas especiais de relacionamento, continuam sendo práticas apreciadas pelo cliente no dia dele (e em qualquer outra data), mas o momento histórico de transformação requer ainda mais prioridade no cuidado da pessoa chefe de nossos chefes: o cliente.

Muito tem se falado das “dores” dos clientes – termo para simbolizar seus anseios, necessidades, problemas e questões gravitando ao redor de suas vidas. E para endereçar essas dores, ou seja, oferecer respostas a elas, listamos a seguir três tópicos capazes de ajudar, confira:

1 – Preocupação com ESG (enviromental socal governance) – o cliente tem razão em valorizar e reivindicar para que as empresas tenham compromisso socioambiental, respeitem o ser humano, sejam sustentáveis e transparentes em suas ações com impacto à comunidade. Não é de hoje que preferem empresas amigas da criança, dos animais, da natureza, dos idosos e de pessoas em situação de vulnerabilidade. Os clientes estão de olho na contribuição das empresas nessa equação, atentos ao “equilíbrio da balança”.

Leia também:
O Perfil do Consumidor após a pandemia. Saiba como se preparar
Clubes de assinatura crescem ao trazer nova relação e experiência com o consumidor em casa
Como responder as avaliações de seus clientes nos aplicativos de delivery

2 – Levantar bandeiras e se posicionar – atrelado ao tema ESG, algumas empresas têm se posicionado a respeito de determinados assuntos, assumido seu lado – em conformidade com seus valores e missão – e isso vem sendo visto pelo mercado como positivo, inclusive refletindo na cotação das ações dessas empresas. Programas de inclusão levando a sério a diversidade e a neurodiversidade, são ótimos exemplos de iniciativas apreciadas pela maior parcela dos clientes.

3 – Deixar o cliente falar e dar atenção – A era das “ideias importantes” – que não saem do papel porque algo mais urgente passa na frente – está com os dias contados. É preciso reservar a agenda não só para manutenções e correções, como também para inovações das mais variadas. O cliente de hoje tem se mostrado menos interessado no lastro da reputação de marca de empresas renomadas ou legendárias e, mais na eficiência de seus processos e sua capacidade de inovar, criar mundos novos capazes de tornarem sua vida melhor ou refletir positivamente em seu entorno.

Para exemplificar o conceito, podemos pensar na implementação de uma central de VOC (voice of Customer – voz do cliente) dentro da empresa. Como isso funciona? Uma equipe passa a ficar dedicada em coletar indicadores de satisfação ou insatisfação em diferentes etapas da jornada do cliente com a empresa.

Em outras palavras, é feita uma análise de cada momento da relação do cliente com a empresa, desde o início, no ato da contratação (ou até antes, quando ainda está considerando contratar), até o pós-venda. E situações em desconformidade com a expectativa do cliente, precisam ser amplificadas dentro da empresa e chegar em todos os níveis e áreas responsáveis.

Algumas empresas até convidam clientes para relatar problemas e questões mal solucionadas para a alta cúpula de líderes na corporação. Essa prática tem promovido priorização daquilo tido como mais valioso para preservar a relação com o cliente.


4 – Velocidade nas tratativas
– Se a voz do cliente ajuda, o uso da inteligência artificial (AI) turbina. Colocar a máquina para aprender (machine learning) e treinar algoritmos para tomada de decisões instantâneas e automatizadas, será capaz de simplificar processos, economizar tempo do cliente e garantir sua satisfação. Com o 5G chegando, virá junto proficiência de uma série de tecnologias como a internet das coisas (tudo conectado à internet, gerando dados de comportamento de consumo e preferências capazes de classificar perfis de clientes em grupos de interesses e propensão, para que seus anseios sejam atendidos de forma magistral).

Ao assistir Netflix, por exemplo, as recomendações são personalizadas com base em histórico de navegação, tempo de permanência etc. A IA já está presente há tempos e promete mudar para melhor a vida dos clientes. Sabendo utilizá-la em favor de seu negócio, ela deixará sua equipe humana com mais tempo para humanizar a relação. Pode soar meio estranho agora, futurista ou utópico, mas dentro de alguns anos, fará todo sentido e as empresas que não levarem em consideração a adoção de soluções tecnológicas para atender bem seus clientes, tendem a perder relevância e competitividade no mercado.

Leia também: Dia do consumidor: novas práticas, novas regras.

5 – Cocriação com o cliente – Com significado de criar em conjunto, esta é outra prática capaz de colocar de volta uma empresa no coração de seu cliente. A iniciativa requer planejamento prévio e alguns cuidados, como estabelecer diretrizes para nortear e abrir o jogo a respeito de limitações para obter colaboração factível. Na prática, é envolver o cliente na construção de suas soluções e promover iteração (esta é outra palavrinha bem utilizada no âmbito da satisfação do cliente, ela significa criar operações sucessivas de implementação de ações ou melhorias em ciclos, fazer rodadas de validação com o cliente e realizar novos testes).

Puxando o gancho para falar da Alelo, duas vezes ao ano promovemos uma iniciativa interna chamada “Dia do cliente’, na qual pessoas de todas as áreas são convidadas a participar. Funciona assim: um grupo de clientes é avisado sobre a ação, as pessoas da Alelo são apresentadas a esses clientes que contratam nossas soluções (empresas que fornecem benefícios Alelo aos seus colaboradores) e, nessas oportunidades de diálogo surgem ideias de criação e melhoria de produtos, além de uma compreensão profunda da realidade dos clientes participantes da ação.

Quem se envolve do lado do prestador de serviços, fica com o senso de propósito bastante acurado em relação a importância do trabalho para a vida do cliente, tem a oportunidade de se colocar no lugar dele e exercitar a empatia, ao conhecer seus desafios do dia a dia, necessidades e anseios.


6 – Atendimento em todos os pontos de contato com o cliente
– a multicanalidade não é tão simples de atingir, mas é necessária e se tornará obrigatória com o passar do tempo. Trata-se de continuar o atendimento mesmo se o cliente migrar do telefone para o chat ou vice-versa, sem ter que perguntar todos os dados dele e pedir para relatar o caso. Também de possibilitar a ele comprar na loja física e receber em sua casa, ou comprar online e retirar na loja, ou olhar na loja e comprar por telefone ou WhatsApp. Tem outro post aqui no blog sobre esse tema.

Gostou desse post cheio de dicas para você colocar em prática na sua empresa?

Então conte para a gente o que você tem feito por aí para encantar seus clientes! Alguma ação ou iniciativa? Compartilhe nos comentários!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Veja mais conteúdos que podem te interessar

Comentários

Comentários estão fechados.